Regimento Interno

REGIMENTO INTERNO

1 — APRESENTAÇÃO

A Associação do Caminho do Vinho do Mergulhão, ACAVIM, foi constituída em 18/07/2004, e têm por finalidade proporcionar aos associados os meios para melhoria nas condições de produção, transformação, armazenamento comercialização e divulgação de seus produtos e/ou serviços.

Visando atingir o que estabelece a sua missão, a ACAVIM elabora o Regimento Interno, para definir produto e/ou serviço e o comprometimento dentro da entidade Caminho do Vinho da Colônia Mergulhão, dentre outros.

2 – CONCEITO

O Regimento Interno é um conjunto de regras elaboradas a partir do consenso dos associados, para proteger, orientar, padronizar e assegurar o exercício das atividades exercidas pelos empreendedores, nas áreas de vinificação, alimentação, hospedagem, lazer e eventos, produção e venda de produtos coloniais e atividades relacionadas ao turismo rural.

3 – OBJETIVOS

Garantir a qualidade dos serviços oferecidos, buscando a segurança e credibilidade dos visitantes, bem como a manutenção e fortalecimento dos princípios éticos da entidade.

4 – PRODUTOS TURISTICOS

A fim de fazer parte do roteiro Caminho do Vinho a propriedade deverá se enquadrar em uma ou mais características abaixo apresentadas como principais produtos turísticos do turismo rural.

Adegas

Alambiques

Apicultura

Artesanato

Atrativos naturais (serras, áreas preservadas etc).

Belezas naturais

Colha e pague

Ecoturismo

Esportes de aventura

Estudo do meio

Eventos

Festas típicas tradicionais

Floras

Fruticultura

Gastronomia típica

Herbários

História e cultura local

Horticultura

Móveis

Orquidários

Parques temáticos

Passeios eqüestres

Patrimônio Ambiental

Pesca

Produtos orgânicos

Roteiros rurais

SPAS

Trilhas

Turismo pedagógico

Turismo receptivo

Vivência de autoconhecimento junto ao meio ambiente.

5 – PRÉ-REQUISITOS

Assim, para que uma nova propriedade venha integrar-se à ACAVIM, esta propriedade deve, obrigatoriamente, possuir as seguintes características:

Situar-se no meio rural;

Desenvolver atividades produtivas e gerar renda com a venda de seus produtos;

Manter e promover a autenticidade e a identidade da propriedade;

Valorizar a mão-de-obra local;

Valorizar a Cultura Local e os costumes rurais;

Manter a tradição cultural local;

Preocupar-se com o meio-ambiente;

Oferecer atendimento tipicamente familiar e personalizado;

Oferecer alimentação típica local e/ou caipira;

Comercializar produtos e derivados da Região;

Demonstrar aos turistas a vida no campo;

Possuir beleza cênica e atrativos naturais;

Valorizar a fruticultura regional;

Enquadrar-se, obrigatoriamente, nas orientações desta Carta de Princípios.

6 – INFRA-ESTRUTURA E POSTURA NECESSARIA

A fim de garantir um mínimo de qualidade no atendimento ao visitante que realiza o roteiro Caminho do Vinho, além de possuir as características do turismo rural da região, precisam apresentar as seguintes infra-estruturas mínimas:

Água potável

Área coberta

Bancos / assentos

Energia elétrica

EPI – Equipamentos de Proteção Individual (adequados à atividade produtiva e a atividade turística)

Facilidade de circulação interna como rampas e adaptação para deficientes

Iluminação interna e externa

Lixeiras para coleta seletiva de lixo

Local de estacionamento

Local para recepção do turista

Placa indicativa de horário de funcionamento

Saneamento básico

Sanitário feminino e masculino

Sinalização básica interna e externa

Telefone

Vias de acesso em bom estado, inclusive para ônibus de turismo.

Infra-estrutura Sugerida; fatores que podem complementar a estruturação da Propriedade.

Crachás de identificação para equipe de trabalho, uniforme ou avental.

Área de lazer

Alojamento / hospedagem

Loja de produtos típicos / ponto de venda

Área de alimentação

Área com sombra

Material gráfico de divulgação, Site e E-mail

Algumas características e posturas desejáveis do Proprietário Rural

Além das características do Turismo Rural na Região e da infra-estrutura mínima necessária para o Programa, o proprietário rural deve possuir também algumas características e posturas que são desejáveis para atuação junto ao Programa.

Apresentação pessoal asseada

Atualizar-se constantemente

Conhecimento de normas da vigilância sanitária

Conhecimento de seu meio, do próprio negócio e do(s) produto(s) agrícolas e turísticos.

Conhecimentos básicos administrativos e de recursos humanos (contratação, direitos e deveres de funcionários).

Gostar do próprio negócio e da atividade que está desenvolvendo também é fundamental.

Noções de Primeiros Socorros

Noções de Segurança

Possuir espírito cooperativo e integrativo

Saber planejar

Ser comunicativo

Ser criativo

Ser educado

Ser empreendedor

Ser organizado

Ser participativo

Ser receptivo

Ter jogo de cintura

Ter metas e objetivos

Ver, ouvir e sentir como o turista – empatia.

7- CONSERVAR O AMBIENTE NATURAL

Em todas as fases de implantação e operação, o turismo deve adotar práticas de mínimo impacto sobre o ambiente natural, de forma a contribuir para a conservação das dinâmicas e processos naturais em seus aspectos físicos e biológicos, considerando o contexto cultural e socioeconômico existente.

Os empreendimentos da ACAVIM não devem jogar o esgoto e lixo em locais não preparados para este fim e seguir exigências conforme vigilância sanitária e legislação local;

Devem ser utilizadas as menores dosagens possíveis de defensivos agrícolas químicos nas plantações;

Deve ser estabelecido e considerado um limite máximo de pessoas que podem visitar as áreas naturais e áreas produtivas da região em determinado intervalo de tempo

O visitante, ao chegar à propriedade, deverá ser orientado sobre cuidados com o ambiente natural e com a produção.

Deve ser evitado o desmatamento de áreas naturais objetivando a implantação de infra-estrutura turística.

Deve haver preservação contínua de fauna e flora local.

Para a implantação de trilhas, devem ser seguidas as orientações ambientais em vigor.

Deve ser incentivada a conscientização ambiental e a produção orgânica.

8- PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÔMICO DOS DESTINOS TURÍSTICOS

A cadeia produtiva do turismo deve contribuir para geração de renda e qualificação crescente do trabalho, bem como fomentar a capacidade local de empreender na atividade turística.

Os membros do poder público de uma região turística devem ser instruídos para que possam fomentar o turismo de maneira sustentável.

Deve acontecer conscientização para o cooperativismo

Deve acontecer conscientização dos produtores rurais para o Programa

Deve acontecer processo de orientação e conscientização dos benefícios relativos ao Programa, direcionada a comunidade, utilizando-se do apoio dos meios de comunicação;

Os pontos diversos de comércio situados nas proximidades das propriedades devem ser conscientizados para se tornarem postos de informação

Novos proprietários deverão passar por visita técnica na propriedade e receber capacitação

Deve ser promovida a conscientização e sensibilização da comunidade por meio de eventos, seminários, cursos etc.

O poder público municipal deve acreditar na proposta

Proposta de concursos para incentivo de cuidados para com o patrimônio público e turístico;

Compromisso de divulgação com um mínimo de um mês de antecedência das festas e eventos realizados no circuito

Disponibilização de informações em sites.

Promover a divulgação em nível regional das festas e eventos realizados no roteiro

9- PROMOVER A SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE

A viabilidade econômica do turismo deve considerar os custos sociais e ambientais, e essas três bases devem ser consideradas de forma equilibrada e integrada.

As ações propostas para o desenvolvimento do Turismo Rural devem ser concebidas e planejadas considerando seus efeitos e conseqüências em uma perspectiva de longo prazo.

Os empreendedores da ACAVIM precisam conseguir, com a ajuda técnica necessária, identificar seus diferenciais, transformá-los em produto turístico, mas sem perderem suas características rurais. A identificação do ponto máximo de crescimento dos empreendimentos é um indicador importante a ser considerado para participação no Programa

Os empresários devem ser estimulados a adotar “boas práticas” relacionadas à conservação ambiental, para evitar que os impactos ambientais inviabilizem a própria atividade turística.

O turismo tem que ser entendido, nas propriedades rurais, como uma forma de viabilizar e/ou impulsionar as atividades tipicamente rurais, ajudando assim no seu desenvolvimento e sustentação.

Incentivar a manutenção da cadeia produtiva do turismo por meio do cooperativismo

Desenvolver, com apoio das entidades parceiras, Programas educacionais para valorização das áreas rurais e do campo.

A sustentabilidade da atividade dependerá da manutenção das características do turismo rural no Caminho do Vinho.

10 – ADOTAR PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO RESPONSÁVEL

O turismo deve ser implementado com base em um processo documentado que demonstre suas possibilidades de sucesso, garantindo assim o mínimo de organização e o compromisso permanente com os princípios do Programa Turismo Rural Cooperativo.

Processos de monitoramento e avaliação, implementados pelos Conselhos, devem compor as práticas de gestão, permitindo o aprimoramento contínuo do empreendimento.

Só poderão fazer parte da ACAVIM, os empreendedores que

Apresentarem, com a ajuda técnica necessária, pleiteada junto a entidades parceiras, o planejamento de sua atividade;

Estarem capacitados em áreas como de gestão, qualidade, higiene, atendimento, organização social entre outras;

Possuírem, preferencialmente, empresa legalmente constituída;

11- ADOTAR A QUALIDADE E SEGURANÇA COMO METAS PRIORITÁRIAS

A prática do Turismo Rural deve proporcionar aos turistas a oportunidade de vivenciar o cotidiano do meio rural com segurança. A satisfação do cliente deve ser constantemente avaliada e as adequações necessárias adotadas para que a proposta de um turismo “acolhedor” seja mantida.

O treinamento da equipe de trabalho deve ser prioridade visando a excelência do atendimento em busca da qualidade como uma marca do negócio.

Assim, foram definidos padrões mínimos de segurança e qualidade que devem ser base para as Propriedades Rurais integrantes da ACAVIM.

11.1-PADRÕES MÍNIMOS DE SEGURANÇA

A propriedade deve possuir Regulamento Interno;

Caixa de força e outros espaços que ofereçam perigo ao turista devem permanecer trancados e isolados da circulação dos turistas

Devem estar à mão informações relativas a contato com resgate e hospitais das proximidades

Devem ser implantadas Placas Informativas em toda a propriedade

Devem ser realizadas Vistorias preventivas na Propriedade periodicamente

Devem-se ter todos os cuidados necessários com a administração e armazenamento de produtos tóxicos

EPI deve estar à disposição do turista adequadamente, para a atividade turística que exigir bem como para a atividade produtiva da propriedade.

Isolamento de animais bravos

Lanternas devem estar à disposição

O turista deve assinar Termo de Responsabilidade, afirmando conhecer os possíveis riscos envolvidos com a atividade.

Os proprietários devem conhecer e aplicar as normas da ABNT de segurança.

Os turistas devem ser orientados com relação a áreas de perigo e comportamentos inadequados

Sinalização de perigo deve ser espalhada nos locais adequados dentro da Propriedade

Sistemas de combate a incêndio devem ser instalados

Não deve ser permitido acesso a maquinário e suplementos agrícolas

11.2 – PADRÕES DE QUALIDADE

As embalagens de produtos devem ser padronizadas e devem conter Data de fabricação e prazo de validade nos produtos

Asseio Pessoal da Equipe

Atendimento Personalizado

Bom atendimento ao turista

Capacitação permanente da equipe

Deve haver Comprometimento com os princípios da qualidade

Garantia de procedência de produtos regionais

O valor do vinho será padrão combinado em assembléia

Limpeza e organização na apresentação dos produtos

Manter as características definidas como fundamentais para o Empreendedor da ACAVIM

Manutenção periódica

Normas de higiene de acordo com a vigilância sanitária

O proprietário deve preocupar-se com a satisfação do turista

Organização de acordo com padrões estabelecidos pelo Conselho Regional

Originalidade na manipulação e venda de produtos

Os preços de todas as atividades / produtos devem ser claros e estar à disposição do turista em local visível;

Postura adequada da equipe

Produtos selecionados

Superar expectativas

Segurança – Sugestões

As propriedades deverão estar identificadas com a placa do Caminho do Vinho, que agrega mais valor ao produto

Presença de salva-vidas em áreas específicas (rios, lagos, piscinas etc)

Uso adequado e respeito à logomarca “CAMINHO DO VINHO”. Apenas os empreendedores e associados têm o direito de utilizá-la;

As propriedades associadas devem dar preferência para a utilização de móveis rústicos. Evitar a utilização de móveis de fórmica e de plástico. Evitar pintar pedras e árvores de branco;

Respeitar horários divulgados. Prever meios de atender quando há baixo fluxo (campainha) e deixar um aviso no portão quando tiver que fechar por algum motivo, o cliente vai sentir-se respeitado;

Adequar vestimentas para atendimento. A camiseta do Caminho do Vinho tem boa aceitação, o avental ou o traje italiano. Fica a critério.

Ter caixa de sugestões para os clientes, com papel e caneta presa no local;

Zelar para que a propaganda do seu produto ou serviço esteja de acordo com a realidade do seu empreendimento e/ou que não prejudique a imagem do Caminho do Vinho. Não ter ou vender vinho sem rotulo. Vamos trabalhar para todos os produtos terem rotulo (ex. conservas, compotas, geléias);

12- FORTALECER A COOPERAÇÃO ENTRE OS EMPREENDEDORES

A riqueza do Turismo Rural concentra-se nas peculiaridades regionais, o que induz as atividades cooperadas e complementares.

Ações conjuntas e integradas, visando ampliar os benefícios sociais, as possibilidades da oferta, minimizar custos e agregar valor aos produtos oferecidos devem ser priorizadas pelos envolvidos no processo.

Para caracterizar-se como associado, este deve fazer parte, ativamente, da Associação Caminho do Vinho, Colônia Mergulhão – ACAVIM

13-POSSUIR CARACTERÍSTICAS DO TURISMO RURAL

As características fundamentais do turismo rural devem ser permanentemente valorizadas pelos diferentes envolvidos nos roteiros de Turismo Rural. Assim, deve-se manter e promover a autenticidade dos atrativos, desenvolverem o atendimento de forma personalizada, tipicamente acolhedora e familiar, mas com qualidade e profissionalismo. A ruralidade deve estar presente em todos os momentos, mas sem abdicar da segurança e conforto dos turistas.

14-PRAZO DE ADEQUAÇÃO

Para associar-se à ACAVIM e poder oferecer um dos serviços citados neste Regimento Interno é necessário o comprometimento do empreendedor.

A partir da assinatura da Carta de Compromisso, os interessados se comprometem em fazer as melhorias necessárias em seu estabelecimento se for o caso. Participar previamente em pelo menos 75% das Assembléias, reuniões mensais promovidas pela ACAVIM, cursos oferecidos pelos nossos parceiros como também em feiras e eventos de divulgação do Caminho do vinho. O empreendedor deve saber contar como funciona o roteiro e ter conhecimento, respeito e ética em relação aos demais empreendimentos;

Ocorrendo desrespeito ao Regimento Interno, o caso será analisado pela diretoria da entidade e em seguida serão tomadas as seguintes providências:

Será realizada uma assembléia com os associados da ACAVIM, com o intuito de discutir a situação do associado que desrespeitou o Regimento Interno e identificar o que foi desrespeitado e por que. Nesse momento será solicitada uma visita técnica a propriedade do associado para se identificar IN LOCO todos os problemas enfrentados pelo mesmo. A partir destas ações será proposto um novo prazo para que o associado se adapte ao estabelecido no Regimento Interno. Caso o associado não cumpra pela segunda vez com o que foi estabelecido, o associado será convidado a se afastar da ACAVIM até que faça as alterações necessárias.

O empreendimento que possuir atividade de grande interesse para a ACAVIM (Hotel, centro de convenções), poderá ser admitido no quadro social, a critério da Assembléia.

Carta de Compromisso

  1. Respeitar e seguir o Caderno de normas e o Estatuto;
  2. Participar da vida da Associação;
  3. Pagamento de Jóia, estipulado em R$ 500,00 e mensalidade de R$ 15,00.

Eu declaro (nós declaramos – núcleo familiar), ter tido conhecimento da presente carta, estar de acordo com o seu conteúdo, comprometendo-me a segui- lá, submetendo – me as fiscalizações, bem como penalizaçoes, quando necessárias.

São José dos Pinhais, _______________________________________

Nome do Empreendimento:____________________________________

____________________________________

Empreendedor: _____________________________________________

Representante 1:____________________________________________

Representante 2:____________________________________________