O doce mistério da canjica

Prato tradicional, indispensável e típico das festas juninas do nordeste, a canjica é uma deliciosa iguaria cada vez mais apreciada pelos brasileiros.

Também conhecida como “curau”, “canjiquinha” e “papa de milho”, sua origem é um enigma para os apaixonados por esse saboroso manjar. Não se sabe ao certo como a canjica chegou à culinária brasileira.  Se ela é originária da África, Ásia ou se é genuinamente nacional. Nessa história não desvendada, até o seu nome é uma controvérsia.

Alguns “peritos” da área afirmam que a canjica é um prato de procedência nativa, sendo na verdade uma deliciosa herança dos índios Tupinambás, que habitavam o litoral brasileiro na época em que os portugueses aqui chegaram, no século XVI. No entanto, para alguns estudiosos da língua portuguesa, o termo canjica não é indígena, mas sim africano. O dicionarista Nei Lopes, por exemplo, vê na palavra uma metamorfose de “Kanzika”, que significa “papa grossa de milho cozido” no dialeto quicongo, falado no Congo e Angola.

Há ainda estudiosos que afirmam que a canjica é indiana e que seu nome tem origem no termo canja. Esse termo seria uma variação de Kanji, que na língua malaia (falada no sudoeste da Índia) significa “arroz com água”. E assim, com a intensa presença portuguesa no país a partir do século XVI, a substituição do arroz pelo milho, e da água pelo leite de coco, a canjica teria se tornado brasileiríssima. Seja qual for a sua origem, a canjica já é um patrimônio da culinária brasileira.

Fonte: https://vapza.com.br/