Entenda por que as taças de vinho têm tamanhos e formatos diferentes

Você alguma vez se sentou à mesa, deu de cara com uma porção de taças diferentes e se sentiu completamente confuso com a variedade?

Apesar de parecer bobagem, existem razões bem específicas para as taças terem formatos e tamanhos distintos, e você pode tirar algumas das suas dúvidas a seguir:

A taça 

A base tem uma função bastante óbvia, que é evitar que a taça caia. Dela sai a haste, que serve para que as pessoas segurem a taça sem tocar o bojo, evitando, assim, que o calor das mãos altere a temperatura da bebida, pois alguns tipos de vinho devem ser servidos frios.

Além disso, a haste também serve para evitar que as pessoas segurem as taças muito próximo da bordinha do bojo.

Isso porque as nossas mãos possuem um odor natural, sem falar que muitas vezes elas mantêm o cheiro de sabonetes, cremes ou loções, e tudo isso pode interferir no aroma do vinho e afetar a nossa percepção do sabor.

Sendo assim, a haste também serve para que as mãos fiquem longe do nosso nariz.

O bojo, como você já deve ter deduzido, serve para conter a bebida, e o ideal é que ele seja mais largo do que a borda da taça para que o vinho possa “dançar” dentro dele.

E você já deve ter visto as pessoas rodopiando a bebida antes de dar aquela cheiradinha e bebericá-la, não é mesmo?

Pois a prática de rodopiar o vinho faz com que os compostos voláteis sejam liberados. Além disso, o pequeno redemoinho que se forma ajuda a direcionar os odores para o centro da taça e deixá-los mais concentrados.

Isso permite que, quando cheiramos o conteúdo da taça, até as nuances menos intensas sejam percebidas. Bem, pelo menos para que os enólogos percebam esses aromas todos.

Sendo assim, quanto mais largo for o bojo, maior será a superfície pela qual o vinho pode se mover — e quanto maior a superfície, maior será a quantidade de compostos voláteis liberados.

Aliás, vale lembrar que as taças só devem ser preenchidas até um terço de sua capacidade, justamente para permitir que a bebida tenha espaço suficiente para rodopiar livremente.

Por último, a borda da taça é o ponto de contato entre a bebida e a boca, e quanto mais fina ela for, mais discreta será a transição do vinho até o nosso paladar — permitindo que a nossa atenção se concentre mais na percepção dos sabores em nossa boca e menos na sensação do material com o qual a taça é feita.

 

Fonte: www.amambainoticias.com.br