Conheça as características do Vinho Colonial

Conheça as características do Vinho Colonial  no Caminho do Vinho! Afinal, se você é descendente de italiano e mora no sul do Brasil, provavelmente já tomou uma taça de vinho colonial, feito de forma artesanal, que muitas pessoas conhecem como “vinho de mesa”.  Mas você sabia que esse tipo de vinho tem suas variações, como as apresentações em Vinho Tinto de Mesa Seco, Vinho Tinto de Mesa Suave, Vinho Branco de Mesa Seco ou Vinho Branco de Mesa Suave.

Características do Vinho Colonial

O vinho colonial leva pouco tempo para ser produzido. Para elaborar o vinho colonial são usadas geralmente uvas Lambrusco ou Americanas, uvas típicas de sobremesa. Por isso o vinho tem um cheiro tão parecido com as próprias uvas. Os vinhos tintos normalmente são feitos de uva Bordô, Rubi ou Itália; os vinhos brancos, de uva Niágara.

Vinho colonial e suas harmonizações

Embora o mercado gastronômico ignore totalmente o vinho colonial, ele pode ser harmonizado como você quiser ou conseguir. Se você conversar com um dos colonos aqui do Caminho do Vinho e perguntar se um vinho colonial vai bem com polenta e galinha ensopada, ele com certeza vai dizer que sim. E a gente concorda!

Vinho colonial é chique?

Nada tem a ver com finesse, tem a ver com a busca por um sabor a mais na sua refeição, por meio do vinho colonial.  Atualmente,  o vinho colonial corresponde aproximadamente a 70% do mercado nacional. Ou seja, tomar vinho é chique sim. Não importa se o vinho é colonial ou não.

Vinho colonial seco ou suave?

O vinho colonial tem bastante espaço no mercado por ter essa possibilidade de variações. O vinho colonial pode ser encontrado tanto seco quanto doce, e para os iniciantes com paladar mais sensível aos vinhos finos, o vinho doce é uma ótima alternativa. Mulheres tendem a gostar do tinto suave exatamente por ser doce. Ou seja, não despreze os vinhos coloniais! Eles podem revelar surpresas em cada nova garrafa a ser aberta!

Fonte: vemdauva.com.br