Benefícios da Salsa para a sua saúde

salsa (nome científico Petroselinum sativum), também conhecida como salsinha, salsa-hortense, salsa-comum e salsa-de-comer é uma erva que tem a sua origem na região mediterrânea, principalmente no sul da Itália, Argélia e Tunísia.

De acordo com historiadores, a salsa consiste em um dos primeiros condimentos usados pela humanidade. Foram os gregos os responsáveis por ela ter se espalhado para o mundo todo, onde está presente em diversas receitas culinárias.

A folhagem é de cor verde-escura e atinge até 20cm de altura e existem diversas espécies dessa erva, sendo que algumas podem suportar melhor o calor do que outras. As espécies são diferenciadas pelo seu tamanho e aspecto das folhas, como a salsinha lisa e a crespa.

Pertencente à mesma família do aipo e da erva-doce, as folhas da salsa são altamente utilizadas como tempero na culinária do mundo todo, seja na forma crua em saladas, cozida junto a legumes, como no preparo de vitaminas, chá de salsa desidratada ou fresca. Também são usadas junto às sementes e raízes no preparo de remédios naturais há milhares de anos.

Apesar de a salsa ser muitas vezes confundida com o cheiro verde, o último consiste em uma mistura da salsinha com a cebolinha. Há regiões do Brasil onde o coentro, erva de sabor bem marcante, também é incluído na mistura. Além disso, vale citar que a salsa e a salsinha são a mesma erva, mas o salsão é um alimento diferente.

A melhor forma de conservar a salsa é lavá-la apenas no momento em que será usada. Isso porque, quando as folhas são guardadas úmidas na geladeira, têm a tendência a ficarem escurecidas e apodrecerem de forma mais rápida.

Outra maneira de armazenar é guardá-la fresca dentro de um recipiente fechado na geladeira. Para que o tempo de duração das folhas seja maior, coloque uma folha de papel toalha ou então um guardanapo em cima da salsa, para que a umidade das folhas seja absorvida e permaneçam frescas por um período de tempo maior.

A salsa é rica em vitamina A, vitamina B1, B2, C, D e K. Além disso, ela possui diversos minerais, como fósforo, ferro, cálcio, potássio e magnésio. Conheça mais sobre as propriedades da salsa:

  • Ferro: O ferro ajuda no combate a anemia, anorexia e também evita a sensação de fadiga e cansaço físico.
  • Vitamina K: Beneficia a saúde dos ossos a coagulação sanguínea.
  • Fibras: Melhora a função intestinal, evitando a prisão de ventre.
  • Betacaroteno: contém ação antioxidante e trata-se de um imunoprotetor.
  • Clorofila: Possui propriedades antissépticas e depurante.
  • Vitamina A: Contribui para o fortalecimento das as mucosas, as vias respiratórias, intestinal e urinária. As infecções também são evitadas, pois essa vitamina é responsável pela produção das células brancas do sangue.
  • Vitamina C: A vitamina C participa da formação do colágeno, proteína que contribui para a cicatrização das feridas e a manter os ossos e os dentes saudáveis.

BENEFÍCIOS DA SALSA

Além de deixar o prato mais saboroso e colorido, ela traz diversos benefícios para a saúde. A salsa ajuda a tratar doenças renais, infecções urinárias, retenção de líquido e gases intestinais, entre outros benefícios, que serão citados a seguir.

1.Faz bem para os rins – Tomar chá de salsa é benéfico para o combate de pedras nos rins e infecções urinárias, além de controlar a hipertensão. A razão para isso é porque a salsa possui efeito diurético e estimula a função renal, eliminando o líquido do organismo. Por isso, trata-se de um excelente remédio para purificar os rins.

2.Previne o câncer – Estudos feitos com a salsa revelaram que essa erva, em especial o seu óleo essencial, pode ajudar a evitar o surgimento de tumores cancerígenos. Por essa razão, é considerada como um alimento “quimiopreventido” pelos cientistas. Por ser rica em antioxidantes, como a luteolina, ingerir salsa regularmente ajuda no combate aos radicais livres, substâncias que podem levar ao câncer e causar o envelhecimento precoce.

3.Contribui para a digestão – Consumir salsa ajuda a melhorar a digestão dos alimentos, o que evita a ocorrência de espasmos intestinais. A prisão de ventre e digestão lenta também são melhoradas com a ingestão dessa erva. Para melhorar a digestão, o ideal é que ela seja usada por meio de infusão e ingerida antes das refeições.

 

 

Fonte: souagro.com.br